PSD exorta a Câmara de Matosinhos a recuperar a torre do Mosteiro de Leça do Balio

Marco de Canaveses, Porto, 28 out (Lusa) – Deputados do PSD eleitos pelo Porto exortaram a Câmara de Matosinhos a apresentar uma candidatura para a recuperar a torre do Mosteiro de Leça do Balio, por estar em mau estado de conservação.

A coordenadora dos parlamentares sociais-democratas daquele distrito, Emília Santos, disse à Lusa que cinco deputados visitaram hoje aquele monumento nacional e que constataram a degradação que apresenta a torre da igreja.

Falando em Marco de Canaveses, onde os parlamentares também visitaram as ruínas da cidade romana de Tongóbriga, Emília Santos disse justificar-se que a intervenção no Mosteiro de Leça do Balio se faça por iniciativa da Câmara de Matosinhos.

“Essas obras estão identificadas no mapeamento das infraestruturas, mas não há ainda nenhuma candidatura”, frisou.

A deputada aconselhou aquela autarquia da Área Metropolitana do Porto a seguir o exemplo da Câmara de Marco de Canaveses, quando apresentou uma candidatura no valor de 600.000 euros que permitiu, em articulação com a administração central, realizar vários melhoramentos em Tongobriga. Nessa intervenção, recentemente inaugurada, a autarquia local assumiu metade da componente nacional do investimento realizado.

No caso de Leça do Balio, Emília Santos recordou que o monumento está incluído na Rota dos Caminhos de Santiago, no âmbito da qual tem havido “um conjunto de municípios portugueses e galegos que apresentaram candidaturas”.

“O Município de Matosinhos também podia aproveitar e há disponibilidade da tutela [Direção Regional do Património]”, afirmou a coordenadora dos deputados do PSD/Porto.

Nos últimos quatro anos, acrescentou, a igreja daquele mosteiro beneficiou de alguns melhoramentos, no valor de 100.000 euros, oriundos do Orçamento do Estado, “mas falta a torre, que está em mau estado de conservação e precisa de algumas obras de requalificação”.

A visita dos deputados a Leça do Balio e a Tongóbriga realizou-se “no âmbito das Jornadas do Património e da Cultura, do Grupo Parlamentar do PSD, que estão a acontecer um pouco por todo o país, no mês de outubro”.

Às jornadas, acrescentou Emília Santos, “seguir-se-á uma conferência, de cariz nacional, para debater alguns dos problemas e desafios” identificados nas visitas.

Salientou, por outro lado, que a deslocação dos deputados aos monumentos, como a que hoje ocorreu em Matosinhos e Marco de Canaveses, pretende ser “o reconhecimento do trabalho abnegado das pessoas que estão à frente do nosso património cultural e que nem sempre são valorizadas”.

“Permite-nos ter uma visão muito clara e realista das dificuldades e dos desafios que estas pessoas enfrentam”, concluiu.

APM // JGJ

Lusa/fim

Notícia publicada na agência LUSA a  28 de outubro de 2016.