PSD/ Porto repudia revogação da extensão da Linha de Metro ISMAI – TROFA

10320468_838717786168715_2151930363778902011_n

PSD/ Porto repudia revogação da extensão da Linha de Metro ISMAI – TROFA (Muro)

 

Porto, 1 de março de 2016 – A Distrital do PSD do Porto repudia a decisão do Ministro do Ambiente em matéria de prolongamento da Linha do Metro entre o ISMAI (Maia) e a Trofa (Freguesia do Muro).

O Ministro do Ambiente fez hoje saber, durante a audição do Orçamento do Estado, não considerar prioritário cumprir o protocolo de colaboração entre a Metro do Porto, a CCDR-N, e as Câmaras da Maia e da Trofa, homologado pelo anterior Governo, com vista à extensão da Linha de Metro do ISMAI até à TROFA, confirmando assim a revogação do último troço da primeira fase do metro, que se encontra por concluir.

Num esforço conjunto entre as referidas entidades, o protocolo de entendimento, devidamente homologado pelo Estado Português, nomeadamente pela Secretaria de Estado do Tesouro e pela Secretaria de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, prevê um investimento total de 37 Milhões de euros, podendo a obra ser realizada com um investimento público de apenas 5 Milhões e 500 mil euros correspondentes aos 15% de componente nacional – sendo pelo exposto exequível apesar do contexto financeiramente exigente do País.

Há 14 anos que a população da Trofa abdicou do comboio que lhes garantia mobilidade primária, crendo na promessa até agora não cumprida, da extensão da Linha de Metro do ISMAI até à Freguesia de Muro. Com a garantia do compromisso e envolvimento do Município da Maia, do Município da Trofa, da CCDR-N e do Metro do Porto, a Distrital do PSD do Porto considera que a obra só não será executada por preconceitos político-partidários do Governo Socialista.

O Presidente da Distrital do PSD do Porto, Virgílio Macedo, considera ser “lamentável que o atual Governo, que considero ser de ‘marcha-atrás’, molde as suas decisões com base numa perturbadora mesquinhez partidária, numa evidente governação de caráter ideológico, capaz de comprometer injustamente os interesses das populações. É uma decisão inexplicável e injustificável só entendida pelo facto das autarquias em questão serem presididas por autarcas do PSD”.

Acrescenta ainda que, “o PSD do Porto de tudo fará para continuar a defender os legítimos interesses do distrito, no caso, dos Maiatos e dos Trofenses. Pergunto, onde é que nos vão levar estas atitudes prepotentes de quem julga ser Dono Disto Tudo?” .

Para a Deputada Emília Santos, que inquiriu o Ministro do Ambiente, resta saber “onde reside o respeito pela população e pelos autarcas legitimamente eleitos, que celebraram um acordo, onde se predispõem a alocar verbas para a realização de uma obra que se arrasta há 14 anos?”